Cistite: sintomas, causas, fatores de risco e cuidados necessários

A cistite é a infecção ou inflamação na bexiga. É comum que muitas pessoas achem que cistite é infecção urinária, porém nem sempre é assim.

Existem vários tipos de cistites que podem acontecer na bexiga, veja aqui quais são as principais causas, sintomas, o que acontece no organismo e muito mais.

Cistite: Causas e tipos

Ela é causada por uma bactéria ou algum fungo que esteja alojado dentro da bexiga. Porém existem algumas que não são necessariamente causadas por infecção como, por exemplo:

  • Cistite actínica: causada por radioterapia.
  • Cistite intersticial: gerada pela perda da camada protetora que circunda a parede da bexiga.

Por mulheres terem o canal urinário mais curto, é bem mais comum que isso aconteça com o sexo feminino, com mais risco ainda quando tem vida sexual ativa ou durante a menopausa.

Muitas vezes a cistite pode ser causada pelos próprios germes que colonizam a região do ânus, vagina e o canal por onde sai a urina. Quando eles se deslocam para dentro da uretra e chegam ao interior da bexiga, acontece também a cistite. Nesse caso ela é conhecida como cistite bacteriana.

A doença também pode acontecer após a relação sexual, quando há um trauma na região. Alguns casos de cistite acontecem com infecções urinárias hospitalares, um desenvolvimento de alguma inflamação que acaba atingindo essa região do corpo.

Em homens é bem menos comum a frequência de cistite, isso acontece pelo canal urinário ser maior e com mais proteção, além de ser mais distante do ânus. Porém homens que possuam doenças na uretra, fimose ou idosos com hiperplasia (que é o aumento da próstata) os riscos são maiores.

Quando conhecida como cistite não infecciosa, alguns fatores podem acelerar seu acontecimento, como:

  • Cistite fúngica: pessoas com diabetes ou com imunidade baixa;
  • Cistite intersticial: causada por uma inflamação crônica ou sem motivo;
  • Medicamentos como os utilizados no tratamento da quimioterapia podem acentuar a cistite;
  • Uso de cateter durante muito tempo;
  • Cistite causada por causas específicas como câncer na região, endometriose, doença de Crohn, lúpus, diverticulite ou até mesmo tuberculose.

Principais sintomas

Existem vários sintomas que podem indicar que o seu incômodo seja cistite, veja abaixo quais são eles:

  • Vontade constante de urinar – em alguns casos sai apenas um pouco de líquido, mesmo com a sensação de bexiga cheia;
  • Ardência ao urinar;
  • Urinar em pequenas quantidades e com grande frequência;
  • Sangue ao urinar;
  • Urina com cor diferenciada e com cheiro forte;
  • Dores e desconforto na região pélvica;
  • Sensação de ter o abdômen pressionado;
  • Ter febres.

É importante que quando alguns desses sintomas apareçam o paciente vá o mais rápido para o médico. Em caso de complicações é comum que a infecção “suba” até os rins, piorando ainda mais o caso.

Fatores de risco da cistite

Veja abaixo quais são os principais fatores de risco que podem propiciar que algumas pessoas tenham mais probabilidade de sofrer com cistite do que outras:

  • Pessoas que fazem a ingestão de pouca água;
  • Prender a urina por mais de duas horas;
  • Pessoas sexualmente ativas que não utilizam preservativos;
  • Mulheres que utilizam o diafragma como controle de natalidade;
  • Mulheres grávidas;
  • Quem sofre com cálculo renal, diminuição da uretra ou aumento da próstata;
  • Sistema imunológico enfraquecido;
  • Uso contínuo de cateter no trato urinário.

Para mulheres que sofrem frequentemente com cistite, é indicado que utilizem preservativo em todas as relações sexuais. A lubrificação reduz o atrito no canal vaginal, evita troca de germes e o desequilíbrio da flora genital.

Tratamento e diagnóstico

O diagnóstico de cistite não costuma ser demorado ou difícil de identificar, muitos médicos sabem que se trata da doença apenas com os sintomas sentidos.

Em muitos casos, porém é comum que uma análise clínica seja realizada, como um exame de urina, cistoscopia, raio x e até mesmo uma ultrassonografia.

O tratamento geralmente se dá com o uso de antibióticos direcionados para essa região, como a Amoxicilina, Clocef, Cefalotina, Clavulin, Cystex e muitos outros.

É indicado que o paciente tome muita água, faça compressas quentes na região para o alívio das dores, faça xixi sempre que sentir vontade, impedindo assim que a região seja sobrecarregada. É importante também que a limpeza da região íntima também seja feita de maneira correta.

Recomendados para você:


Ajude a melhor ainda mais o site, avalie:

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (8 votes, average: 3,38 out of 5)
Loading...