Revascularização do miocárdio – Indicações, Preço, Como é feita

A cirurgia de revascularização do miocárdio consiste no uso de segmentos de veias ou artérias para criar uma passagem, a chamada ponte, permitindo ao sangue contornar a obstrução. Trata-se da cirurgia cardíaca mais comum.

Quando é necessário fazer revascularização do miocárdio

Obstrução de uma das artérias do coração pode interromper parcial ou totalmente o fluxo de sangue, causando dano à parte do músculo cardíaco que depende dessa artéria, prejudicando o funcionamento do coração, o que pode até levar à morte.

Entre os tratamentos possíveis para esse problema (que incluem, dependendo do caso, mudanças na alimentação, uso de remédios ou angioplastia, operação em que balões ou stents, malhas cilíndricas, são instalados para ampliar o espaço desobstruído pelo qual o sangue pode fluir) está a revascularização do miocárdio, também conhecida como cirurgia das coronárias (cirurgia de coronária ou ainda de cirurgia coronariana).

Os vasos sanguíneos aos quais geralmente se recorre são vasos sanguíneos do corpo do próprio paciente, geralmente a artéria radial, localizada no antebraço, a artéria mamária (a mais frequentemente usada), localizada no tórax, ou ainda a veia safena, localizada na perna (daí o nome popular de ponte de safena popularmente dado à cirurgia de revascularização do miocárdio). Bem mais raramente, são usadas as artérias gastroepiplóica e epigástrica inferior, localizadas no abdômen.

revascularização do miocárdio

Como é feita a cirurgia

O paciente é colocado sob anestesia geral, e, apenas depois de estar ele profundamente anestesiado, começa a preparação dos enxertos. Depois disso, o tórax é aberto para que a equipe cirúrgica tenha acesso às artérias do coração, possa localizar as obstruções existentes e implantar as pontes.

Na revascularização do miocárdio pode ser usada a circulação extracorpórea (CEC). Com ela  faz-se com que o coração deixe de bater para que os cirurgiões possam operar o órgão sem sangue, simplificando o procedimento.

Nesse caso, o sangue é desviado para um aparelho chamado máquina pulmão-coração, que enriquece-o com oxigênio e bombeia-o pelo corpo, fazendo assim o papel dos pulmões e do coração. Cabe ao cirurgião decidir qual das técnicas é mais a adequada à situação do paciente.

Confira aqui estudo científico que fala sobre a efetividade sobre este procedimento.

revascularização do miocárdio indicações

Cuidados antes da cirurgia

Antes da cirurgia, devem ser realizados exames para avaliação do quadro do paciente, o qual também deverá consultar-se com o anestesista alguns dias antes da realização da cirurgia.

O paciente será orientado quanto aos cuidados a tomar antes da cirurgia e deve seguir escrupulosamente essas orientações. Uma das mais comuns é a de não comer depois da meia-noite, mas cabe ao médico responsável definir exatamente quais os cuidados necessários, inclusive qual o período de jejum a ser observado pelo paciente.

revascularização do miocárdio cirurgia

Pós-operatório

Concluído o procedimento cirúrgico, o paciente é transferido para a UTI, onde geralmente fica em observação por um ou dois dias antes de ser mandado para a enfermaria. Por ser o período imediatamente posterior à operação delicado, na UTI, o paciente e seus sinais vitais são cuidadosamente monitorados. A partir do segundo dia,

Depois de transferido para a enfermaria, o paciente usualmente fica lá por entre quatro e seis dias em repouso absoluto (de preferência, evitando o excesso de visitas) antes de receber alta.

Cuidados depois de receber a alta

Geralmente, após a alta, a recuperação do paciente completa-se em um período de entre 40 e 90 dias. Os pacientes costumam poder retomar parcialmente sua rotina depois de um mês de alta e voltar a dirigir veículos de passeio a partir do segundo mês, mas cada caso é um caso.

Dores, especialmente na incisão feita no tórax, são relativamente comuns. Também é importante entender que o osso esterno, no tórax, através do qual é feito o acesso ao coração, é fixado pela equipe cirúrgica com fios de aço, mas sua consolidação completa leva cerca de três meses.

Entre as necessidades do período que se segue ao procedimento cirúrgico, no caso de ter sido usada a veia safena, está a de evitar o inchaço (edema) da perna de onde saiu a veia utilizada.

Como a cirurgia não impede que novas obstruções apareçam nas coronárias, é importante que a situação seja acompanhada através de exames e consultas periódicos. Além disso, mudanças no estilo de vida, tais como, por exemplo, parar de fumar, se o paciente fumava, controle do colesterol, controle da pressão arterial, controle do peso, controle da diabetes, caso o paciente a tenha, e tomar os medicamentos prescritos, são bastante importantes.

O cirurgião informará o paciente quanto aos cuidados que deverão ser tomados no período pós-operatório. Essas orientações devem ser seguidas rigorosamente.

Como todo procedimento, especialmente um tão longo e delicado, em que o tórax é aberto e opera-se o coração, há risco de complicações, especialmente se o paciente já está com a saúde fragilizada. Entre os riscos mais comuns, estão insuficiência renal, hemorragia, acidente vascular cerebral, infarto durante o procedimento, infecção e complicações pulmonares. Contudo, ela é prescrita quando se avalia que é necessária para evitar que a condição coronária continue se agravando, o que poderia levar a um infarto.

revascularização do miocárdio recuperação

Preço

Estima-se que a cirurgia de revascularização do miocárdio custe na rede particular por volta de 7000 reais, mas o valor pode variar bastante de acordo com o hospital em que for realizado e das especificidades do caso (o SUS, por exemplo, costuma pagar mais na rede pública por uma cirurgia sem circulação extracorpórea do que por uma cirurgia com circulação extracorpórea).


O Conteúdo Foi Útil? Deixe seu Voto!

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (1 votes, average: 1,00 out of 5)
Loading...

Leave a Reply